Cobogós

Cobogó são elementos arquitetônicos em forma de tramas vazadas, dos mais diferentes materias: cimento, vidro, madeira, cerâmica, mármore, entre outros. Seu uso teve inicio na década de 20, com os arquitetos, Coimbra, Boeckmann e is. Ficou famoso e foi largamente utilizado nas décadas 50 e 60, e tinha a inteção de manter a privacidade sem comprometer a iluminação natural, a ventilação e a visibilidade de dentro pra fora.

A estrutura recebeu amarração de ferro nas juntas (5 cm) e pilares nas laterais. Modelo Folha, da Cerâmica Martins

Cobogó genuíno

Projeto da Arquiteta Renata Pedrosa. As peças de 20x20x7,2cm foram assentadas em posições aleatórias. Da Elemento V

Com o passar do tempo os cobogós deixaram de embelezar as fachadas e migraram para espaços menos nobres, quando passaram a ser usados como divisórias de áreas de serviço, perdendo todo o glamour inicial.

Cobogó feito em mármore

 

Cobogó em design que remte ao oriente.

Cobogó em vidro jateado

Segundo historiadores, os arquitetos se inspiraram no muxarambiês, que são tramas vazadas de madeira e apresentam um design bem diferente dos cobogós e menos glamuroso.

cobogó cimentício

Realçados não só pela beleza da luz natura, mas também pelas nuances de sombras causadas pela iluminação artificial

Projeto de Márcio Koogan, a Casa do Cobogó, em São Paulo, recebeu um painel com impressionante efeito visual, criação de Erwin Hauer

Oscar Niemeyer, entre outros modernistas utilizaram muito os cobogós, juntamente com os brises, em várias fachadas, principalmente em Brasília.

Hoje eles voltaram e viraram peça chave já que possibilitam entrada de ar e iluminação de forma natural, além de deixar o ambiente mais descontraído e com um charme retrô chic!

Cobogó Haaz- uma versão mais atual feita em mármore branco para uma exposição na Turquia-criação do arquiteto Márcio Kogan.

Cobogó em trama de palhinha do arquiteto Cícero Ferraz da Cruz, da Brasil Arquitetura para a Farm. Fabricado pelo Neo-Rex.


Existem ainda, placas de cobogós de 22x22x9,5 fabricados em alumínio fundido, criação do Arq. Felipe Protti. As peças têm encaixe tipo fêmea e devem ser colocadas em barras do mesmo material. Quem fabrica é a Dbox e tem preço media de R$440,00 cada peça.

Na Casa Cor SP 2011, o ambiente de Luciana Pastore e Maria Paula Giuliano, na BGourmet, foi todo emoldurado por Cobogós, que encantaram os olhos de quem passava. Os cobogós, que ainda estarão no post especial do BGourmet 2011, são da Neo Rex.

Para mais informações acesse o site da Casa.com ou o ADFArquitetando.

 

Natalya Hamada

Compartilhar:

4 ideias sobre “Cobogós

    • Oi Thelma,
      O post foi atualizado! Temos dois ambientes com cobogo amarelo mas se você estiver se referindo ao primeiro painel amarelo é um projeto das arquitetas Carla Caffé e Carol Tonetti para a Lachonete da Cidade, e o fornecedor esta na imagem (Cerâmica Martins).

    • Oi Edineide,
      Você pode encontrar na Elemento V, faz uma busca pelo nome da empresa no google e confira como contata-los.
      Abraços,
      Natalia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>